Acompanhe as mudanças para MEI

MEI é a sigla para Micro Empreendedor Individual, a modalidade de empresas que mais cresce no Brasil. Isso mostra que o interesse nacional por empreendedorismo é significante.   O MEI é o tipo de registro mais escolhido porque transforma uma pessoa em uma empresa, em um CNPJ, com a maioria dos direitos que uma pessoa jurídica (PJ) tem, e com os deveres reduzidos.   Os cerca de 12 milhões de microempreendedores individuais terão que se adaptar às novas normas que foram aprovadas recentemente pelo Comitê Gestor do Simples Nacional.   MEI   A primeira mudança está em novas atividades retiradas da CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas), ou seja, profissões que devem se enquadrar agora em ME (Micro Empresa), confira:  

Atividades que deixam de ser MEI e devem se tornar ME

 
  • Abatedor de aves independente
  • Alinhador de pneus independente
  • Aplicador agrícola independente
  • Balanceador de pneus independente
  • Coletor de resíduos perigosos independente
  • Comerciante de extintores de incêndio independente
  • Comerciante de fogos de artifício independente
  • Comerciante de gás liquefeito de petróleo (GLP) independente
  • Comerciante de medicamentos veterinários independente
  • Comerciante de produtos farmacêuticos homeopáticos independente
  • Comerciante de produtos farmacêuticos, sem manipulação de fórmulas
independente
  • Confeccionador de fraldas descartáveis independente
  • Coveiro independente
  • Dedetizador independente
  • Fabricante de absorventes higiênicos independente
  • Fabricante de águas naturais independente
  • Fabricante de desinfestantes independente
  • Fabricante de produtos de perfumaria e de higiene pessoal independente
  • Fabricante de produtos de limpeza independente
  • Fabricante de sabões e detergentes sintéticos independente
  • Operador de marketing direto independente
  • Pirotécnico independente
  • Produtor de pedras para construção não associada à extração independente
  • Removedor e exumador de cadáver independente
  • Restaurador de prédios históricos independente
  • Sepultador independente
  Essa longa lista significa menos trabalhadores que se enquadram no registro de microempreendedor individual. Existem estudiosos que acreditam que essa mudança se deve ao fato da arrecadação com o MEI ser a menor de todas, já que é a modalidade que paga as menores taxas de imposto.  

Nomeclatura oficial de empresas MEI

  No ano passado, muitas pessoas que tinham um MEI tiveram que adicionar a palavra “independente” na nomenclatura. Bom, esse ano houveram outras mudanças.   Agora, é preciso especificar ainda mais algumas atividades. Por exemplo, Proprietário independentes de bar e congêneres, vai se dividir em:  
  • Proprietário independentes de bar e congêneres, sem entretenimento
  • Proprietário independentes de bar e congêneres, com entretenimento
MEI   Assim como Comerciante independente de animais vivos e de artigos e alimentos para animais de estimação, devem mudar a nomenclatura para: Comerciante independente de animais e alimentos para animais de estimação (pet shop) – Não inclui a venda de medicamentos.  

Mudanças nos tributos para MEI

  A mudança que mais interfere no dia a dia do empresário é no valor da contribuição mensal, que é reflexo do aumento do salário mínimo. Os microempreendedores do setor de comércio ou indústria passaram a pagar R$49,90 ou R$50,40, o valor varia de acordo com a necessidade (ou não) de pagar a taxa de ICMS. Já na área de prestação de serviços, a taxa obrigatória passou para R$54,90, e para comércio e serviços ou indústria e serviços juntos, R$55,90.   A declaração anual de faturamento também sofreu alterações. Antes, você precisaria informar apenas a receita que vinha de atividades de comércio, mas, agora, o faturamento sobre prestação de serviços funciona da mesma maneira.  

MEI e o cadastro no e-Social

  A última mudança interfere com os MEI que têm funcionários. Todos os microempreendedores que são contratantes, devem fazer o cadastro no e-Social. Você pode escolher como prestar suas informações, através do e-Social Web Simplificado MEI, e-Social Módulo Geral Web Empresas ou e-Social Web Service. Para entender melhor sobre esse cadastro, consulte o portal ou o SEBRAE.   Pensando em facilitar o seu negócio, e ainda trazer mais segurança e tranquilidade nas suas transações financeiras, a Granito projetou uma maquininha perfeita para micro e pequenos negócios. Conheça a mPOS Granito e entenda os benefícios que ela traz para você!   Confira também: Sua empresa precisa de um Sistema de Gestão? ]]>

pagamentos recorrentes

Pagamento recorrente automatizado: uma realidade Granito

O que é pagamento recorrente e porque a sua empresa deve implementá-lo, você pode conferir aqui. Agora vamos mostrar como automatizar todo o processo no seu empreendimento com a Granito.   A vendas recorrentes são as mensalidades e assinaturas, e são uma grande tendência atual em modelo de pagamentos. A prática começou a ser utilizada em escolas, universidades, academias, etc. Hoje já abrange diversos tipos de mercados, como plataformas de streaming, canais de comunicação e muitos outros.   Com as soluções da Granito, esse processo de cobrança recorrente pode ser automatizado, e você diminui custos, economiza tempo, tem mais segurança nas transações, e o melhor: diminui a taxa de inadimplência.   Tudo isso é feito de forma muito simples. Você só precisa da sua maquininha Granito, e tudo é configurado diretamente por ela.   pagamentos recorrentes  

Olha como é fácil:

 
  • Comece inserindo o cartão. Selecione então a modalidade crédito.
  • Insira o valor. Neste primeiro momento, o valor é o pagamento da primeira parcela do serviço. Este também pode ser o valor de matrícula e não precisa ser o mesmo do valor da recorrência.
  • Peça ao cliente que digite a sua senha e quando terminar, clique no botão verde.
  • Agora ocorre o processamento da transação, e após a aprovação o comprovante será impresso.
  • Se desejar, você pode imprimir a via cliente, clicando no botão verde.
  • Agora vem a pergunta, “deseja gerar pagamento recorrente”?
  • Escolha que sim.
  • Retire o cartão do cliente.
  • É hora de cadastrar o cliente na recorrência.
  • Primeiro começamos com o código identificador do cliente. É um número de controle do estabelecimento. Pode ser um número de matrícula, de contrato, entre outros.
  • Digite o valor da mensalidade.
  • Insira a data de início de cobrança, com dia, mês e ano com dois dígitos.
  • Digite o número de parcelas que se deseja cobrar. Entre colchetes temos a quantidade máxima que conseguimos cobrar neste cartão.
  • Insira o código CVV que fica na parte de trás do cartão.
  • Insira novamente o cartão do cliente para validação.
  • Será impresso um comprovante de recorrência com todas as informações. Peça ao cliente que assine, para sua segurança.
  • Imprima a via do cliente.
  • Lembramos que alguns cartões solicitam uma confirmação adicional da recorrência, como um token, número de segurança que chegará ao cliente por SMS. Ao ser solicitado, insira a informação.
  • Pronto.
  Agora você irá receber o valor na data selecionada, sem burocracia, sem desgaste e sem custos adicionais e todo o processo administrativo desta e das demais recorrências do seu estabelecimento podem ser realizadas no Portal Granito     A Granito tem ainda mais soluções que trazem praticidade e resultado para o seu negócio. Confira!]]>

As mudanças da Nota Fiscal Eletrônica 4.0 – como adaptar sua empresa?

Já ouviu falar na nova Nota Fiscal Eletrônica 4.0? Aqui no blog, já falamos sobre a Nota Fiscal Eletrônica e suas vantagens. Agora, com a NF-e 4.0, algumas mudanças foram feitas, e podem influenciar o seu negócio.   Como a Granito se importa com a sua empresa, separamos tudo que você precisa saber sobre a NF-e 4.0.   A Nota Fiscal Eletrônica veio para substituir a tradicional nota de papel e facilitar o acompanhamento dos setores de atacado e varejo pela Secretaria da Fazenda. Agora, a nova nota exige a assinatura digital do emissor, e, assim, tem validade jurídica.  

As principais mudanças na Nota Fiscal Eletrônica 4.0

A mudança mais visível é o layout da nota que é emitida para operações que envolvem produtos. O indicador de pagamento muda de lugar e passa a pertencer ao Grupo de Informações de Pagamento. Agora você precisa informar qual a forma de pagamento e o valor de troco, e não só se o pagamento foi à vista ou a prazo.   Na versão 4.0, a comunicação não será baseada apenas no protocolo SSL, o que gera mais segurança para a sua empresa.   NFe 4.0   Pensando na contabilidade, uma mudança significativa é nos campos relativos ao Fundo de Combate à Pobreza, que está com outra dinâmica para operações internas ou interestaduais, com ou sem substituição tributária. A nova nota mostra o valor referente ao percentual do ICMS.   Na NF-e 4.0 você pode preencher o Indicador de Presença com a opção Operação Presencial fora do estabelecimento, que é o caso da vendas ambulantes.   O campo de frete também recebeu modificações. Agora existem as opções Transporte próprio por conta do remetente e Transporte próprio por conta do destinatário. O novo layout trouxe também o Grupo Rastreabilidade e Produto, que tem como objetivo levantar informações que tornam possíveis o rastreamento de produtos que precisam de regulações sanitárias. É o caso de bebidas, medicamentos, defensivos agrícolas e outros.   E para os medicamentos em especial, foi criado um campo para informar à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).   Há ainda mais um campo novo na NF-e 4.0: o Indicador de Escala Relevante. Aqui, são indicados os produtos que não podem mais se submeter ao Regime de Substituição Tributária. O Convênio ICMS 52/2017 trouxe mudanças nessa categoria, principalmente sobre quais produtos são considerados Fabricados em escala industrial não relevante.   Se você tem dúvidas sobre o seu produto, pode consultar a tabela CEST atualizada.   São cerca de 1,3 milhões de empresas no Brasil que tiveram que se adaptar às novas normas da Nota Fiscal Eletrônica. Se a sua empresa ainda não fez as mudanças necessárias, significa que você não pode mais emitir notas fiscais, ou seja, você está atuando de forma irregular.   nota fiscal eletrônica   O processo é complexo e exige certo conhecimento sobre o tema, mas existem sistemas que facilitam o processo de emissão de notas fiscais eletrônicas, e deixam tudo automatizado.   E a Granito tem integração nativa com softwares de gestão, até mesmo com diversos gratuitos. Descubra o que mais a Granito pode fazer pela sua empresa.   Confira também: Como a sua empresa pode reduzir a bitributação com a Granito?]]>

O guia dos pagamentos recorrentes

Pagamentos recorrentes são as famosas assinaturas ou mensalidades, ou seja, é um pagamento periódico.   No geral, essa modalidade é usada em empresas que prestam ou oferecem serviços periódicos, como academias, escolas, estúdios, e também empresas que vendem produtos por assinatura, como revistas e jornais. O pagamento normalmente é feito todos os meses, em um dia pré-determinado, em todo o período que o serviço for realizado.   Pagamentos recorrentes - mensalidades   Quando seus clientes fazem pagamentos recorrentes, sua empresa consegue ter mais controle do número de consumidores e da quantidade de dinheiro que vai entrar no seu caixa, podendo evitar algumas surpresas desagradáveis.   O pagamento recorrente é uma forma de fidelizar o cliente. A conquista é feita na hora da venda, mas como o seu serviço é realizado durante um longo período de tempo, você precisa manter o desejo do consumidor em consumir o seu produto ou serviço.   A lógica é simples, se o consumidor estiver constantemente satisfeito com o serviço, ele continuará sendo seu assinante ou mensalista, evitando o cancelamento, e consequentemente, aumentando o lucro gerado em cima dele. Caso contrário, ele poderá cancelar a assinatura e parar com os pagamentos periódicos.  

A minha empresa deve trabalhar com pagamentos recorrentes?

  Em primeiro lugar, com os pagamentos recorrentes, você diminui o tempo, esforço e dinheiro gastos na cobrança de clientes e no processo de faturamento do seu negócio. Esses processos não devem mais ser manuais, principalmente porque assim, abrem margem para erros e podem gerar grandes problemas, como cobranças indevidas, atrito entre o cliente e a empresa, e o pior dos vilões: a inadimplência.   Com os pagamentos recorrentes, sua empresa pode focar no que é necessário, sem se preocupar com o processo, que pode se tornar automatizado.   Pagamentos recorrentes   O processo da recorrência de pagamentos também traz vantagens para os consumidores, que podem se programar melhor financeiramente, ajudando a evitar a tão temida inadimplência, e além disso, não precisam sacar dinheiro e nem se preocupar com a data do pagamento.   Com a solução de vendas recorrentes da Granito, sua empresa tem ainda mais benefícios. É tudo feito direto pela maquininha, com maior segurança para sua empresa e para o cliente, com a validação com chip e senha na primeira transação, o que reduz churn a zero. E o melhor: o valor da recorrência não bloqueia o limite do cliente. Seu empreendimento pode extinguir as emissões de boleto e aumentar ainda mais a conveniência para todos.  

Como utilizar os pagamentos recorrentes na minha empresa?

  O primeiro passo é entender como funcionará a venda do seu serviço. No caso de um curso, por exemplo, você venderá x aulas por semana por y reais por mês, em uma duração de z meses.   Quando tudo isso for muito claro, faça um contrato padrão de vendas. Nele devem estar todas as condições e exigências. Por exemplo, existe tempo mínimo de utilização do serviço? Existe multa para o cancelamento da assinatura?   Agora vem a parte mais fácil. Com a Granito, você só precisa da maquininha certa.   Dessa forma, você consegue automatizar todo o processo de cobrança na própria maquininha, já no primeiro pagamento. O sistema irá creditar do consumidor no dia programado, sem bloquear o limite do cartão.   É mais praticidade para o seu negócio e para o seu cliente.   Ah! E e todo o gerenciamento é feito com total transparência pelo Portal Granito. Entenda melhor o que a Granito oferece para a sua empresa.]]>

Taxa de câmbio no cartão de crédito: o que mudou?

Muitas empresas compram os seus produtos ou matérias primas de fornecedores internacionais, que tendem a oferecer preços mais atrativos. Em compras assim é preciso estar de olho na taxa de câmbio e no funcionamento do cartão de crédito.   Existem algumas coisas a se pensar antes de realizar essa compra, como por exemplo, verificar a segurança do site, para não ter problemas com o seu cartão. Preste atenção também no prazo de entrega, muitas vezes, o produto pode não chegar com a rapidez que você deseja.   A maior preocupação nas compras no exterior, normalmente é a hora do pagamento. Essas transações são feitas no cartão de crédito, e até pouco tempo atrás eram cobradas na cotação da moeda do dia do vencimento da fatura.   Isso acabava sendo um transtorno e gerando ansiedade, já que as taxas de câmbio oscilam, e por mais que os economistas façam projeções, qualquer acontecimento pode afetar positiva ou negativamente os valores das moedas exteriores.   Ou seja, caso uma compra fosse feita em um determinado dia em um site internacional, com o dólar cotado em R$3,50, o valor poderia ser calculado no dia do fechamento da fatura, e o dólar estar a R$4,00 nesse dia. Uma surpresa desagradável.  

As novas regras no dólar para Cartão de Crédito

  Como o número de compras como essas tem crescido muito no Brasil, o Banco Central aprovou algumas mudanças no processo, para evitar a preocupação e a espera carregada de ansiedade.   A principal e mais influente modificação foi o fato de que os bancos vão passar a cobrar a taxa de câmbio do dia da compra. Isso garante que você pague exatamente o valor que viu do produto que comprou.   Embora a medida só entre em vigor em março de 2020, alguns bancos já têm cartões específicos que utilizam essa forma de cobrança.   Se sua empresa faz muitas compras internacionais, converse com o gerente do seu banco e solicite um cartão que atenda melhor às necessidades do seu negócio.   Lembre-se que para qualquer gasto feito com uma moeda diferente, é cobrado o IOF, o Imposto sobre Operações Financeiras. Entenda melhor sobre ele aqui.   A Granito quer ver a sua empresa sempre crescer, conheça as nossas soluções especializadas para o seu negócio e otimize todo o processo de recebimentos.   Confira também -> Estorno X Chargeback: qual a diferença?]]>